É apenas um contrato

É apenas um contrato

Quando comecei a fazer meus “freelas” eu tinha muita dificuldade e preocupação em criar um contrato para resguardar a mim e ao meu cliente.

Por incrível que parece muitas agências, empresas e profissionais ainda tem essa dificuldade na hora de fazer um bom contrato, pois existe sempre uma preocupação de apenas se preparar para o pior. Quase sempre pensamos que adicionar itens como multa por isso, multa por aquilo etc. Isso até pode nos proteger, mas em sua grande maioria estaremos assinando o nosso primeiro e último trabalho para determinadas empresas. A primeira coisa que precisamos entender é que um contrato é muito mais que prevenção de futuros problemas, é uma forma de selar uma parceria entre os envolvidos no processo.

Ok, mas e ai?

Existem dois tipos de contrato em que você pode se basear, o de escopo fechado (normalmente o mais utilizado e o causador das maiores dores de cabeça) e o de escopo aberto. Para entender melhor esses dois tipos, vamos ilustrar a seguinte situação…

Você recebe uma solicitação para desenvolver uma loja virtual. Faz uma visita ao cliente, entende o que ele precisa, levanta todos os requisitos, prepara uma pré-proposta, apresenta ao seu cliente e… É chegada a hora mais temida para ambos… Você precisa apresentar um contrato e fechar um valor para o serviço. E agora José?

Escopo fechado

Esse contrato é o mais comum e o mais utilizado, porém é o que mais pode te causar transtornos. Depois de ter feito o levantamento, você faz o cálculo de horas para executar o trabalho solicitado, adiciona mais alguns gastos se for preciso, chega a um valor e depois de assinado é a vez do “xá comigo”. Você coloca a mão na massa, trabalha por dias e dias, entra em contato com seu cliente para informar que está tudo andando as mil maravilhas e, no final de um período, normalmente longo, marca uma reunião para apresentar a linda loja virtual completamente pronta.

No dia da reunião, seu cliente informa que não era bem isso que ele queria e que gostaria de mudar x, y e z. E agora? Você resolve fazer o que ele está pedindo pois é “simples”, e não vai levar mais do que uma semana para mudar. Marca outra reunião e… Novamente ele deseja fazer mudanças, pelo simples fato de ter aparecido uma possibilidade que antes ele não era capaz de ver e assim vai por mais alguns dias. O que você faz? Se foi “esperto” já colocou uma cláusula em seu contrato informando que iria cobrar mais “X” caso houvessem grandes mudanças em seu projeto, mas isso acaba sendo um processo muito desgastante, tanto para você quanto para seu cliente.

Experiência própria, quase sempre você entregará o projeto brigado com seu cliente e jurando de pés juntos que nunca mais quer vê-lo outra vez e torcendo para que o sistema de algum bug, pois assim você irá se vingar e cobrar o olho da cara para compensar todo tempo e dinheiro perdido. Será que isso é certo?

Escopo aberto

Imagine a história acima, mas vamos fazer de uma forma diferente. Você entra em contato com o cliente, faz o levantamento do requisito e faz uma proposta para um contrato de escopo aberto. Junto com seu cliente, você calculará uma certa quantidade de horas/dias gastos para desenvolver e entregar uma funcionalidade pronta por vez. Digamos que o pagamento será mensal e que foi feito um acordo que de duas em duas semanas ele receberá algo pronto e testado por você ou pela equipe. Certamente a cada reunião ele apresentará novas idéias e você irá implementando sem nenhum problema. Percebeu a grande diferença? Repare que feito esse acordo o valor final que será gasto pelo cliente depende única e exclusivamente dele e ele, entendendo isso, saberá quanto vale cada processo e quanto vale o seu trabalho. É super importante que ele acompanhe de perto todo trabalho que está sendo realizado, diferente da outra forma onde você, teoricamente, só encontra com seu cliente em dois momentos, na contratação e na entrega.

Nem sempre é tão simples

Pois é… Nem sempre é tão simples quanto parece. Como falei anteriormente, existem algumas empresas burocratas que, infelizmente, não cabe o contrato de escopo aberto, nesse caso recomendo que você tomar muito cuidado.

Mas, querendo e podendo mudar esse quadro, a primeira coisa é entender que nada é impossível, tente fazer com que seu cliente participe mais e mais do processo, assim ele entenderá o que e de que forma você está trabalhando. Depois de fazer isso, tente argumentar os benefícios do contrato de escopo aberto, garanto que você terá bons resultados.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *